A Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF), realizou, na manhã desta segunda-feira (14), audiência pública para debater e conscientizar a população sobre o “Fevereiro Roxo”, campanha que tem como finalidade incentivar o diagnóstico precoce de doenças como Lúpus, Alzheimer e Fibromialgia. O evento, solicitado pelo deputado distrital Robério Negreiros (PSD), também abordou políticas públicas voltadas às pessoas com as síndromes.

Durante a audiência, o parlamentar ressaltou que Alzheimer, lúpus e fibromialgia são doenças distintas, mas que se conectam em dois pontos: são crônicas e incuráveis. “No entanto, caso identificadas ainda na fase inicial, os sintomas podem ser controlados ou retardados, para que os pacientes tenham uma melhor qualidade de vida”, afirmou.

Ainda segundo Robério, o “Fevereiro Roxo” é um tema que exige a atenção de todos, uma vez que as estimativas apontam que mais de 6 milhões de brasileiros são portadores dessas doenças. “Por isso, é mais que necessário alertarmos a todos sobre a questão do diagnóstico precoce para que seja amenizada a dor sentida por essas pessoas que, há muito tempo, sofrem caladas com essas doenças invisíveis”, defendeu.


O deputado ainda ressaltou algumas das conquistas alcançadas desde a última audiência pública realizada sobre o mesmo tema, em 2020.

“Conseguimos, com muito esforço e compromisso, que fosse oficializado o ‘Dia Distrital de Combate ao Lúpus’, celebrado anualmente no dia 10 de maio, a partir de um projeto nosso que foi sancionado pelo governador do DF, Ibaneis Rocha, e virou lei”, lembrou.

Naquela ocasião, também foi formalizado um Projeto de Lei que garante o atendimento preferencial às pessoas com fibromialgia em órgãos, empresas ou concessionárias de serviços públicos e privados, localizadas no DF. Na sequência, foi apresentado ainda o projeto que insere o “Fevereiro Roxo” no Calendário do Distrito Federal.

Solicitações

Ao longo da audiência, Robério, que é vice-presidente da Comissão de Fiscalização, Governança, Transparência e Controle (CFGTC) da CLDF, se comprometeu a fiscalizar e cobrar ações relacionadas a dificuldades vivenciadas por pacientes, que foram apresentadas por entidades convidadas para a audiência.

Entre as pontuações estavam a falta de medicamentos na rede pública de saúde para portadores de fibromialgia e lúpus; a não observância da Lei 6.801/21, que garante atendimentos preferenciais a pacientes com fibromialgia; a capacitação de médicos para o atendimento para fibromialgia e lúpus; entre outras.

Por fim, o parlamentar reforçou que seu gabinete segue comprometido e de portas abertas para novas perspectivas de avanço nessa causa.

Assista a Audiência Pública:

Entre os convidados para a audiência estiveram a presidente da Sociedade de Reumatologia de Brasília, Jamille Carneiro; o chefe da Unidade de Reumatologia do Hospital de Base, Roberto Souza Filho; a presidente da Associação Nacional das Pessoas com Lúpus, Djane da Silva Bento; o presidente da Associação Nacional de Fibromiálgicos e Doenças Correlacionadas, Jorge Ramos; a representante da Associação Nacional de Fibromiálgicos e Doenças Correlacionadas (Anfibro) do Centro-Oeste, Márcia Caires, e a educadora física Wilsineide Costa.